Bem vindo, Camaçari, 26 de Março de 2017

Mônaco escreve sobre a Ressaca da Campanha

Escrito por: Raymundo Mônaco - Geral - 09 de Novembro de 2016

CRÔNICASDA   CIDADE
2016 / 77- ANO V


                                                                                                     J. R. MÔNACO
                                                                                                     Bacharel emDireito. Consultorpolitico.
                                                                                                     Testemunha ocular da história.


“A  RESSACADA CAMPANHA”

“A eleição é uma pergunta, quantomais vezes se fizer  mas se testará a satisfação ou insatisfação do eleitor.
Ulisses Guimarães

 

Fortes emoções viveram os candidatos a prefeito, vice, vereadores e correligionários nas eleições2016 em Camaçari, naturalmente essas vicissitudes  tomaram conta  dos amantes da politica provocando apreensões. A campanha considerada a mais regular dos últimos anos, trouxe inovações e restrições, embora o dinheiro tenha sumido,  deixando ao final  muita gente endividada e com o bolso vazio. Pra quem se elegeu menos mal, para os infortunados perdedores lamentações. Consolo. “A persistência realiza o impossível e consola os sonhadores”. (Pensador).

FINAL DAS ELEIÇÕES 2016

A eleição findou-se com o 2º turno em cinquenta e sete cidades brasileiras, incluindo-se 18 capitais de 20 estados, como vimos, eleições tranquilas mantiveram a velha tradição. Cessaram os boatos, as previsões, especulações e fofocas. Os carros de som da propaganda politica silenciaram após 45 dias de barulho e desassossego. Musicas difíceis de engolir, caminhadas ao sol do meio dia torrando o juízo de carecas e cabeludos, a batalha dos santinhos e bandeiras espalhados pelas ruas da cidade, contracenavam com a euforia dos que acreditavam na vitória dos seus candidatos.

Apoeira vai baixando ao ritmo da esperança. O prefeito e vice, eleitos, respaldados por 73.994 votos obtidos nas eleições provaram o peso das lideranças e da força do povo, embora não deva se ignorar os 44.318 votos do “homem da linha do trem” que sem dúvidas esquentou ainda mais a refrega. O desejo de ser prefeito pela quarta vez ficou  na pretensão.

Méritos à coragem e disposição da advogada Jailce(PcdoB) candidata do prefeito ( 2.725 votos) e do Nilton da Resistencia (PSOL) desconhecido nas hostes politicas (514 votos). Esses por sua vez, sem dúvidas, deram a sua contribuição democrática, sem contudo, em momento algum,  ameaçarem  a viradado jogo.  Camaçari tem hoje 158.125 eleitores,  votaram  121.551 para prefeito; admite-se não terem  comparecido às urnas 36.574 eleitores, abstenção altíssima.


CORRIGINDO DISTORÇÕES

Após a vitória do 25 tingido pela onda azul, a cidade comemorou como se tivesse ganho uma “Copa do Mundo”. Nascia a oportunidade de corrigir as distorções. Camaçari a partir de janeiro vindouro por certo viverá novos dias, o povo aguarda com ansiedade as diretrizes que irão nortear os atos e acabeça dos novos  dirigentes.

Desta forma, curtindo a ressaca de campanha, as urnas não foram solidárias com os vereadores Otaviano Maia (PT), Otto da Farmácia (PSB), Wilton de Ferrinho (PMN)), Professora Patrícia(PT), não conseguiram se reeleger embora tivessem sido bem votados, não se sabe o que contribuiu para  o desenlace.  Fica a pergunta no ar!

Em que pese o recorde de quatrocentos e cinco (405) candidatos a vereador, filiados a trinta e quatro siglas partidárias, assessorado por uma dezena de coligações, alguns  partidos, por  não se coligarem, deixaram de  alcançar o cociente eleitoral não obtendo  assimuma vaga  para vereador,  a Câmara de Camaçari pouco se renovou. Das dezenove cadeiras atuais, treze edis se reelegeram e cumprirão mandato por quatro anos, até 2020.

OS NOVOS DEFENSORES DO POVO

As vinte e umas cadeiras serão ocupadas a partir de 1º de janeiro por oito novos vereadores Binho do 2 de Julho (PcdoB), Vaninho  de Monte Gordo (DEM), Flavio filho do ex-vereador Matos(DEM), Dílson Magalhães JR.(PEN), irá ocupar a vaga deixada pelo seu pai Dílson Magalhães, o líder comunitário  do Bairro Verdes Horizontes, Jamelão (DEM) e Dentinho(PT) militante de sindicato.

Duas surpresas: as eleições do cabeleireiro Walter de Jesus Araújo o Val Estilo (PPS), Adalto dos Santos (PSD) que apesar de menos votados do que algumas feras da politica, pouco conhecidos, foram  beneficiados pelo voto de legenda, incongruências   da legislação eleitoral.

Foram reeleitos os atuais vereadores Oziel (PSDB), Falcão(DEM), Junior Borges(DEM),Jackson (PT), Zé do Pão( PTB),Téo Ribeiro(PT), Marcelino (PT),Pastor Neilton(PSB), Gilvan(PR), Elias Natan (PR), Sessé Abreu (PSDB), O Bispo Jair(PRB) foi o candidato a vereador  mais votado com 2.365 votos, brilhou mais uma vez a Igreja Universal. Adalto dos Santos  obteve 817 votos sendo o menos votado entre os eleitos.

Apesar de cento e vinte (120) candidatas a vereadora inscritas, nenhuma conseguiu se eleger ficando a Câmara sem representante do sexo feminino. O DEM teve o melhor desempenho elegendo seis vereadores, vindo em seguida o PT com quatro cadeiras.  Dezesseis candidatos  a vereador tiveram zero votos, não votaram neles próprios.

O CLIMA DE RESSACA

Voltando à “vaca fria”. Após as eleições passou a existir o clima de ressaca de campanha. Daí, ocorrerem dúvidas a serem tiradas a limpo pelo eleitor; se votou certo, o que ocasionou a derrota, despreparo, condição financeira, poucos recursos, cabos eleitorais enganadores (trairas) ou mesmo impopularidade para conduzir a jornada.

Ademais, o candidato durante a campanha responde a diversos questionamentos e pós campanha começam os pedidos de  emprego, principalmente na Câmara e Prefeitura onde sempre cabe mais um.

PRESTAÇÃO DE CONTAS

Na ressaca da campanha uma das maiores dores de cabeça do candidato, partidos políticos e coligações é o fantasma da prestação de contas. Todos os recursos em dinheiro gastos ou não devem ser prestadas contas, sob pena de responsabilidade e contas rejeitadas tornando o pretendente inelegível na próxima eleição como aconteceu com o vereador João da Galinha vítima da desinformação.

Um novo cenário se manifesta mudando o comportamento do eleitor da agua para o vinho. O ambiente que se forma após a divulgação dos resultadosé diferente da pré - eleição. Antes do voto é possível o convencimento, depois do voto o arrependimento.

Um abraço e até a próxima oportunidade.

J.R. Mônaco
jrsmonaco@hotmail.com

 

Outros Artigos:

Geral
Escrito por: Raymundo Mônaco
10 de Janeiro de 2017
 Veja Mais
Geral
Escrito por: Raymundo Mônaco
15 de Setembro de 2016
 Veja Mais
Geral
Escrito por: Raymundo Mônaco
31 de Março de 2016
 Veja Mais
Geral
Escrito por: Rogaciano Medeiros
24 de Fevereiro de 2016
 Veja Mais
Geral
Escrito por: Raymundo Mônaco
11 de Janeiro de 2016
 Veja Mais
 Veja todos os artigos

Buscar em Notícias

Cadastre-se

Receba nossos informativos no seu email:

Enquete

O que fazer com contato que manda muita propaganda no whatsApp?

Resultado

Praça Desembargador Montenegro, n° 35, Centro,
Camaçari - BA
CEP: 42800-020

71.3627-5293
contato@camacarinoticias.com.br

Navegação Rápida