Bem vindo, Camaçari, 23 de Março de 2017

"Fui estuprada pelo último homem que eu poderia imaginar", diz atriz

Escrito por: Pesquisa Web - Geral - 11 de Janeiro de 2017

Atriz publicou relato na revista Glamour sobre o ocorrido. 

 

A atriz Giselle Itié falou em maiores detalhes sobre o estupro que sofreu aos 17 anos, quando ainda era virgem. Ela expôs o caso pela primeira vez em dezembro do ano passado, ao participar da campanha Nem uma a menos, que luta pelo fim da violência contra a mulher, e publicou um vídeo nas redes sociais. Agora, escreveu para a revista Glamour um relato em primeira pessoa sobre o relacionamento com um namorado 15 anos mais velho e o episódio.

Giselle revela que viajou com o namorado, a quem chama de X, "infelizmente" com o consentimento dos pais, que recomendaram que ela não bebesse. A atriz afirma que só tomou sucos de laranja mas foi dopada. "Quando tinha 17 anos, fui estuprada pelo último homem que eu poderia imaginar. Quando tinha 17 anos, o castelo caiu e fiquei soterrada. X me desejou boa-noite e me chamou de Cinderela. Acordei. Olhei para o lado e lá estava ele, dormindo. Olhei melhor e o vi nu. Susto. Me olhei. Nua. O chão forrado de garrafas vazias. Eu forrada de amnésia. Foi difícil sentar. Então vi o que eu já imaginava. Perdi a virgindade. Me perdi", escreve.

E acrescenta: "Sem saber o que fazer, me tranquei no banheiro. Senti nojo de mim, vergonha, medo. O que aconteceu? Notei meu corpo machucado, roxo, mordido. Não conseguia pensar nem chorar. Só queria o abraço da minha mãe. Como zumbi, fui para o chuveiro e tentei me limpar, tirar a sensação de sujeira. Embaixo da água, me senti de alguma forma protegida. E chorei. Me dei conta de que não era pesadelo quando escutei o X batendo na porta. Num dado momento, me levantei aos prantos e exigi, do outro lado da porta: 'Quero ir para a minha casa agora!'. Ele tentou dizer que não dava e entrei em surto. X concordou em me levar".

Itié conta que, ao chegar em casa, contou do ocorrido para a mãe, que procurou o rapaz, mas manteve o estupro o em segredo para o pai. "Eu? Eu me sentia oca. Sentia tanto quanto não sentia nada. Passei a me vestir com as roupas do meu pai (Freud explica), queria sumir", relata. "Com a ajuda do tempo, da minha mãe e da terapia, comecei a me reencontrar. Decidi ligar para o booker da agência. Lembra? Fui fazer aula de TV e cinema, estudar jornalismo e trabalhar como modelo para pagar o curso. Tudo isso fez um baita barulho em casa, claro, mas eu não era mais aquela Giselle. Total fênix. A imagem das princesas encantadas foi engolida. Eu me sentia o Hulk e contestava tudo que achava injusto, como a Mafalda", diz ela, falando sobre as transformações na vida depois do abuso.

Giselle Itié termina o texto falando sobre a necessidade do feminismo e pede união entre as mulheres: "Estamos (sobre)vivendo na cultura do estupro. A cada 12 segundos uma mulher sofre violência no Brasil. Ou seja, todo movimento é importante para chegarmos mais perto do fim da desigualdade de gênero. Foi duro escrever este texto, mas isso me fortaleceu ainda mais. Meninas, precisamos nos unir! Nosso futuro agradece".

 

Outras Notícias:

 Veja todas as notícias

Buscar em Notícias

Cadastre-se

Receba nossos informativos no seu email:

Enquete

O que fazer com contato que manda muita propaganda no whatsApp?

Resultado

Praça Desembargador Montenegro, n° 35, Centro,
Camaçari - BA
CEP: 42800-020

71.3627-5293
contato@camacarinoticias.com.br

Navegação Rápida