Artigo

Mônaco faz um histórico de todos os prefeitos de Camaçari em 71 anos de emancipação

Escrito por Raymundo Mônaco em 23 de Março de 2019
[Mônaco faz um histórico de todos os prefeitos de Camaçari em 71 anos de emancipação]

CRÔNICAS   DA CIDADE  

2019.86 – Ano VII 

                                                                                                     J.R. MÕNACO 

                                                                                                    Bacharel em Direito. Consultor 

                                                                                                    político. Testemunha ocular da 

                                                                                                    história. 

                                                                                                         

                                                       “Só existem dois dias no ano que  nada pode ser feito. 

                                                        Um é o  dia  de  ontem e o outro  é o  dia de amanhã. 

                                                        Portanto, hoje é o dia certo para acreditar, fazer, amar           

                                                        e principalmente  viver “.  

                                                                                                         Dalai  Lama 

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                

CAMAÇARI:  

OS  PREFEITOS  QUE  FIZERAM HISTÓRIA.  

O saudável hábito da escrita nos devolve sempre ao passado, às vezes  para relembrar personagens famosos, outras vezes para homenagear vultos históricos. Ironias à parte, Camaçari sempre desfrutou de inusitadas manifestações culturais, integrantes de nossa página literária. O uso de expressões animadoras, sem dúvidas contribuem  para o  engrandecimento de campanhas  políticas  e muitas vezes  servem como viés à  própria administração. 

Por conseguinte, o  mês de março  será sempre lembrado quando fatos  concernentes  a episódios  políticos  ocorridos   na  velha Camaçari  trouxerem  conotação com os mesmos.  Afinal de contas é o mês de aniversário de emancipação do município  e por não dizer da sua independência  política, econômica  e social.. 

Em 21 de março,  o município de Camaçari completou setenta e um anos da data de sua libertação. Neste período tivemos  dez prefeitos eleitos pelo voto popular, dois indicados pela Câmara e dois pelo regime militar,  muita história  prá  contar se vivos  estivessem. 

Vamos à eles:   

JOÃO OSWALDO DE ARAUJO foi o primeiro prefeito eleito em Camaçari pelo voto popular (1948/1950), último “intendente” (espécie de prefeito nomeado), destemido, homem de negócios, lidava com barcos de pesca. Gostava da lavoura e da agricultura, primava pelos interesses econômicos do município, pioneiro da luta pela emancipação.   

Desprovido de recursos  financeiros, nascia Camaçari  com muitos pepinos pra descascar.  A primeira séde da PMC  tinha  instalações precárias  e como local de funcionamento  uma casa velha recuperada com  recursos e doações  de comerciantes e dos habitantes  localizada na atual Rua Senador Costa Pinto, onde hoje está a Feira Municipal. 

Joãozinho Araujo por razões até hoje não esclarecidas, suicidou-se em 07 de outubro de 1951, não concluindo o mandato. Foi  substituído por ARTUR GEÓGRAFO LEONE , escolhido amistosamente  pela Câmara prefeito interino.  

ORIOSVALDO  CAVALCANTE DE MELO (Ouri) foi prefeito de Camaçari por  trinta  dias (1955). Hermógenes Souza que findava  o mandato saiu  candidato a vereador  e outros  edis não quiseram  assumir a Prefeitura por também serem candidatos a reeleição. 

HERMOGENES  BISPO DE SOUZA   seu substituto (1951/ 1954) comprometia-se   em campanha  a  abrir estradas vicinais para dar acesso à  Zona  Rural”. Propagava a sua intenção de “não cobrar impostos sobre pés de côco” tributável à época, compromisso forte de campanha, desejo maior dos agricultores da região Era considerado  pessoa de sabedoria  inigualável.    

O mandato seguinte (1955/1958)  foi exercido por JOSÉ EVARISTO DE SOUZA  (O Zequinha ou Zé Evaristo) como gostava de ser chamado, possuía um caminhão e  prestava muitos favores à comunidade. Escolheu como tema de campanha: “Um motorista pra dirigir Camaçari”, pouco realizou, já àquela época dependia das verbas  do governo  para manutenção do município.  

HERMÓGENES  BISPO DE SOUZA ,  reeleito, voltou ao poder (1959 /1962), apoiado por Zequinha. Inteligente, tinha saída pra tudo. 

Melhorou a educação, fundou o Ginásio São  Tomaz de Cantuária. Filho de Monte Gordo, político por excentricidade, acolhia os pobres, gostava de ajudar. Articulava o dia todo, à noite guardava a articulação debaixo do travesseiro para eventualidades. Fomentava  embates políticos  que só os anais da Câmara poderão contar. 

Tempos em que o cidadão  não  andava armado e todo  mundo  era respeitado. 

No período (1963/1966),  Zé Evaristo voltou a governar Camaçari, consolidando a dobradinha com  Hermógenes  Souza , gestão   torpedeada   pela chamada “ Revolução de 1964”. A Prefeitura de Camaçari foi fiscalizada pelos militares, a Câmara Municipal teve as suas atividades temporariamente  suspensas por orientação  militar. 

LUIS PEREIRA COSTA, oficial da Aeronáutica, indicado por Zequinha,  respaldado pelo Regime Militar, foi prefeito de Camaçari (1967/1970) usava na campanha a frase”, “Com Deus pela Democracia” onde  pequenas propagandas  eleitorais  só eram  permitidas  nas partes  internas das casas e estabelecimentos comerciais. 

Considerado o prefeito  da reestruturação. fez obras  significativas. Colocou  energia elétrica na Lama Preta, construiu  o Pronto Socorro, o novo Colégio Cantuária, a Maternidade Ana Falcão, o Ambulatório  Odete Galiza,  adquiriu a  primeira ambulância do  município, o acesso à Monte Gordo /  Praia de Guarajuba. Pavimentou as praças  de Vlla de Abrantes  e Arembepe. Fez belas Micaretas.  

  

Com  mandato de dois  anos JOSÉ VITORINO DOS SANTOS (1971/1973 ) (filho de Barra do Pojuca) foi o ultimo prefeito  antes  da  Camaçari  tornar-se Área de Segurança Nacional.,  o curto espaço de tempo  não  propiciou  realizações de destaque embora  tivesse concluído a obra do Teatro Magalhães  Neto iniciada por Luis Pereira  Costa.  

Foi o autor da célebre   frase   “Camaçari  será  sempre uma cidade grande, mas jamais  uma grande cidade”, justificava alegando a invasão desenfreada  de  aproveitadores e   oportunistas, tinha razão.    

Indicado pelo Governo do Estado tomou posse para dirigir Camaçari (1973/1974 ) o Economista ANTONIO ANDRADE SILVA, primeiro prefeito biônico. Com pouca pratica  de administração pública e desconhecedor  de política,   pouco realizou  tornando-se ao invés de prefeito, um  “Gerente”. Não dava bolas para  a Câmara  dos Vereadores,  tampouco  para a lideranças políticas e o povo em geral. Foi demitido  saindo por onde entrou.  

  

O  ENGº  HUMBERTO HENRIQUE GARCIA ELLERY  segundo prefeito biônico foi o responsável  pelos Planos Pilotos de Camaçari e Dias D”Avila. Militar,  administrou  Camaçari durante onze anos (1974/1985). Foi o responsável pela  implantação  da estrutura orgânica do município., dos  PHOC’S, dos mutirões  da “Casa própria” e pela implantação burocrática da PMC. 

Com a  chegada  de  LUIS CARLOS CAETANO  para Camaçari (1981), a política se  transformou,   intensiva, o elegeu vereador em 1982,  a partir daquele ano Camaçari deixou  de ser  Área de Segurança Nacional, voltando a ter eleições para prefeito em 1985. Caetano foi o vencedor das  eleições   governando Camaçari  (1986/1988),  aproveitou  o clima de mudanças, usava o  slogan “Muda Camaçari”. Nessa gestão  enfrentou percalços, fez  uma administração entre altos e baixos. 

 JOSÉ EUDORO REIS TUDE administrou Camaçari a primeira vez (1989/1992) com sucesso. Aproveitando-se  da situação  delicada em que se encontrava a  PMC, conduziu   a campanha  com a proposta   “ Vamos tirar Camaçari do vermelho”.  

Fez uma boa administração  reorganizando a Prefeitura, pondo as finanças em seus lugares,   construindo  e equipando a cidade  com obras como  o Viaduto do Trabalhador, Câmara   Municipal, séde da PMC, Casa do Trabalho, Nova Feira  e por ai em diante. 

Em  que pesem  os méritos  da boa administração,  o Prefeito  José Tude lançou Dr. Françú como seu substituto,  perdendo  as eleições  para o Engº  Humberto Ellery  que como o “Fênix”  (saindo  das cinzas) voltou à administrar Camaçari (1993/1996) desta vez pelo voto do  povo.  Enfrentou  

 dificuldades  sérias que quase levam  o município  ao sacrifício.  Muita história pra contar. 

Dr. TUDE  como é conhecido, retomou à`PMC  tomando posse em 1997 reelegendo-se em 2000.  Permaneceu no mandato até 2002 quando passou a Prefeitura ao vice HELDER ALMEIDA DE SOUZA    renunciando para ser  candidato a deputado  estadual. ficou  no cargo até  dezembro de 2004.  Fato importante  foi o Dr. Helder  ter  mantido todo o pessoal do Tude  nos respectivos lugares em respeito  aos compromissos  políticos. 

LUIS CARLOS CAETANO  geriu novamente Camaçari (2005/2008) reeleito,  (2009/2012) reabriu a velha escola  política, realizou algumas  obras importantes como a “Cidade do Saber “ reurbanizou Arembepe, mudou o Sistema Viário da Cidade.  

ADEMAR  DELGADO DAS CHAGAS prefeito (2013 /2016) sob a égide de “Camaçari terra das oportunidades” Linha dura, não era chegado  a  favores. Manteve  nos quatro anos de mandato  o conceito de  cidadão integro, honesto,  embora   deixando dúvidas quanto ao aspecto  fidelidade. Pouco realizou. 

O prefeito  atual  ANTONIO ELINALDO ARAÚJO DA SILVA  eleito  em 2017, venceu as eleições  com uma das mais expressivas  votações  obtidas  por  um candidato a prefeito  em   todos os tempos  de  Camaçari.. Pessoa humilde, dotado  de  bons  costumes, tem surpreendido a  muitos. 

Sem  exageros   a cidade vem tomando aspecto  de cidade, os serviços essências funcionam  dentro dos padrões reclamados pela população. Indica  ser  um prefeito que acredita  no sucesso de  sua administração.  

Final: neste  21 de março de 2019  quando o município completa  71 anos  de emancipação  nossa saudosa  homenagem  aos que não mais se encontram entre  nós.  Em vida  aos que de uma forma ou de outra continuam a luta pelo bem estar dos seus congêneres.  

Até lá  e vamos em  frente! 

Um forte abraço.  

J.R.  Mônaco 

                                             

Compartilhe!