Artigo

Psicanalista escreve sobre as diferenças entre cuidado e controle

Escrito por Cibele Carvalho em 09 de Julho de 2021
[Psicanalista escreve sobre as diferenças entre cuidado e controle]

Controle x Cuidado

O ato de querer controlar tudo na vida passa por vários direcionamentos. Se pararmos para pensar queremos estar no comando de todas as possibilidades existentes. Mas isso tem um motivo e uma resposta a qual todos querem sempre justificar que é só cuidado.

Devemos aprender que controle é algo no qual se torna muitas vezes um mecanismo de defesa. E ainda assim a forma de não controle também pode vir a ser. Podemos começar analisando a ideia do não controle que muitas vezes temos diante de algo que nos causar dor e, com isso, corrermos atrás para aplacar esse sofrimento. Muitos recorrem a gastos financeiros, por exemplo. Seja na compra de produtos, serviços... fato é se não temos cuidados vamos levando tudo o que vemos. E aí que mora o perigo, pois podemos ir para o buraco financeiro e gerar outras ansiedades e virar uma bola de neve. É como diz o professor Marcelo Ferreira do curso bem interessante chamado “Adeus, dívidas” na TopoMoney Educação Financeira: “O dinheiro é quem deve servir a você e não o contrário, então, comece a se planejar agora.”

Outros aspectos que muitos acabam tendo como rotas de fuga podem variar desde dependência química, acumular objetos, acumular conquistas, entrar de cabeça no trabalho... podemos ficar aqui analisando cada um desses aspectos, mas vamos nos apegar agora a ideia da relação que muitos acham que isso é cuidado.

Quando algo é bacana para nós podemos dizer sim que é um hábito, mas quando é algo que poderá nos trazer problemas seja de cunho físico ou mental tal situação se configura como sendo um vício. Algo que é repetitivo e que nunca queremos deixar já que nos traz o prazer de estar bem. Ao querer diminuir a intensidade do desprazer em nosso cérebro automaticamente iremos ter a imensa vontade de ter a sensação nem que demore segundos.

Nosso cérebro sempre vai buscar o melhor jeito de dar o prazer o qual ele busca, mas... você está pronto para perceber quando esse start começa e quando você deve dar um stop?!

Desarmar gatilhos não é nada fácil. Pior ainda é quando ele traz a percepção da falsa felicidade.

Cibele Carvalho

Psicanalista 
Especialista em Neuropsicanálise 
Mestranda em Psicanálise pela Universidad Kennedy de Buenos Aires, Argentina
Professora da Rede UNIFTC
Auriculoterapeuta 
Hipnóloga Clínica

Compartilhe!