Dicas da Gisa

Ginecologista ensina jeito natural (e saudável) de acabar com corrimento vaginal

Escrito por Pesquisa Web em 11 de Fevereiro de 2019
[Ginecologista ensina jeito natural (e saudável) de acabar com corrimento vaginal]

Bastante comum nos meses mais quentes do ano, o corrimento vaginal causado pela candidíase é fácil de tratar, mas difícil de eliminar. Normalmente, são receitadas pomadas antifúngicas que resolvem o problema em cerca de 15 dias, mas não evitam seu reaparecimento. O que fazer, então, para acabar de vez com este incômodo?

A candidíase é causada pelo fungo Candida albicans, que está naturalmente presente na mucosa íntima feminina. Dependendo da situação, ele pode se proliferar em excesso e causar a infecção. Além do tratamento tópico, existem estratégias alternativas que envolvem a alimentação.

Jeito natural de acabar com corrimento

O fungo causador da candidíase se alimenta essencialmente do açúcar presente no organismo. Para a ginecologista Dra. Luciana Deister, uma boa forma de evitar a reincidência da infecção é limitar o consumo de carboidratos refinados e doces e apostar no uso de probióticos.

Em sua conta no Instagram, a médica apresentou outro meio natural de acabar com a candidíase: a ingestão de probióticos, que nada mais são do que conjuntos de bactérias benignas que ajudam a equilibrar a flora do organismo, o que inclui a região vaginal, evitando a proliferação do fungo.

"A candidíase é causada quando ocorre um desbalanço entre a população de bactérias 'amigas' e os fungos, causando sintomas desconfortáveis quando as colônias de fungos já cresceram consideravelmente. Por isso, o uso de probióticos pode ajudar tanto no combate quanto no tratamento da candidíase, evitando suas repetições", explica Luciana nas redes sociais.

Probióticos contra a candidíase

Ainda de acordo com a médica, os prebióticos, que são as fibras não digeríveis que servem de alimento para essas bactérias do bem, também ajudam no tratamento e prevenção da candidíase. Sua combinação com os probióticos e a alimentação sem açúcar é uma forma saudável de lidar com o incômodo nas partes íntimas.

Existem outros tratamentos naturais para candidíase, como tomar água com limão durante o dia e aplicar iogurte natural dentro da vagina. Por outro lado, se uma alimentação sem açúcar ajuda a evitar este problema e também a manter o corpo saudável, vale a pena tentar, não é mesmo? Fonte: VIX*

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

? Nosso corpo é formado não só por células, mas também por microrganismos, como as bactérias (que podem ser benéficas ou não) e fungos. Eles habitam principalmente a pele, o trato gastrointestinal e a região vaginal (no caso das mulheres). ? As bactérias benéficas (chamadas também de PROBIÓTICOS) possuem diversas funções que vão desde digestão e absorção de vitaminas e minerais até o equilíbrio que deve ser mantido para controlar a população de bactéricas e fungos tidos como “inimigos”, como é o caso da cândida - um fungo que está presente não só nas mulheres, como nos homens também! ? A #candidíase é causada quando ocorre um desbalanço entre a população de bactérias “amigas” e os fungos, causando sintomas desconfortáveis quando as colônias de fungos já cresceram consideravelmente. ? Por isso, o uso de #probióticos pode ajudar tanto no combate quanto no tratamento da candidíase, evitando suas repetições. ?? Mas atenção: para manter a candidíase sob controle, não basta somente usar os probióticos: é preciso cuidar da alimentação, principalmente, pois a cândida se alimenta essencialmente de #açúcar. Dessa forma, limitar o consumo de #carboidratos refinados e doces, e fazer uso de probióticos e prebióticos (fibras que não conseguimos digerir e que servem de alimento pra essas bactérias do bem) podem ajudar a acabar de vez com a recorrência da doença, que é o nosso objetivo a curto, médio e longo prazo! ? Consulte seu ginecologista e, de preferência, um nutricionista também! #ginecologiaintegrativa #ginecologia #saúdedamulher #medicinapreventiva #medicinaintegrativa

Uma publicação compartilhada por Luciana Deister (@dra.lucianadeister) em 22 de Nov, 2018 às 3:07 PST

Compartilhe!